TBR/Novembro 2016

Ola lindos e maravilhosos!

Como é que vocês estão?! 

 

Eu sei, eu sei, eu evaporei, sumi do mapa e a culpa é toda minha (Sorry).

Mas, uma coisa que vocês não sabem é que, eu tenho bastante coisa para compartilhar com vocês. Não vai ser tudo nesse post, até porque é muita coisa.

Hoje eu trouxe algo relacionado a uma das minhas coisas favoritas no mundo, que é a literatura. Trouxe um TBR (coisa que eu nunca fiz antes) e prometo, prometido que eu vou cumprir e trazer para as leituras do mês ok? 

Então se liga na listinha aqui embaixo que ta linda de morrer!

  • O Morro dos Ventos Uivantes – Emily Bronte

É o meu primeiro clássico. Nunca tinha lido um e sempre que pesquisava alguma coisa em relação aos clássicos ele era um dos favoritos. Mas o que realmente me motivou a ler foi a lista que eu vi de livros que a Rory (Alexis Bledel) de Gilmore Girls leu durante as sete temporadas. Eu adoro Gilmore Girls então não foi difícil querer ler todos eles.

untitled

Na fazenda chamada Morro dos Ventos Uivantes nasce uma paixão devastadora entre Heathcliff e Catherine, amigos de infância e cruelmente separados pelo destino. Mas a união do casal é mais forte do que qualquer tormenta: um amor proibido que deixará rastros de ira e vingança. “Meu amor por Heathcliff é como uma rocha eterna. Eu sou Heathcliff”, diz a apaixonada Cathy.

  • O Grande Gatsby – F. Scott Fitzgerald

Tá ai mais um clássico. Esse eu já quis  ler por motivos diferentes. 

Um dia estava eu linda assistindo TV, quando de repente eu passo por um canal e vejo o Leo Di Caprio lindo e belo de Mrs. Gatsby. Só que não era o começo, era o final do filme, ou seja, quem já leu ou assistiu sabe do que eu estou falando. 

Eu tenho a seguinte opinião. Sempre leia o livro antes do filme. Talvez você se decepcione, mas é tão melhor saber do nosso jeitinho como tudo tem que acontecer. Enfim, eu precisava ler antes de assistir ao filme.

download

Obra-prima de Scott Fitzgerald, O Grande Gatsby é o romance americano definitivo sobre os anos prósperos e loucos que sucederam a Primeira Guerra Mundial. O texto de Fitzgerald é original e grandioso ao narrar a história de amor de Jay Gatsby e Daisy. Ela, uma bela jovem de Lousville e ele, um oficial da marinha no início de carreira. Apesar da grande paixão, Daisy se casa com o insensível, mas extremamente rico, Tom Buchanan. Com o fim da guerra, Gatsby se dedica cegamente a enriquecer para reconquistar Daisy. Já milionário, ele compra uma mansão vizinha à de sua amada em Long Island, promove grandes festas e aguarda, certo de que ela vai aparecer. A história é contada por um espectador que não participa propriamente do que acontece – Nick Carraway. Nick aluga uma casinha modesta ao lado da mansão do Gatsby, observa e expõe os fatos sem compreender bem aquele mundo de extravagância, riqueza e tragédia iminente.

  • Fangirl – Rainbow Rowell

Nunca li um livro dela e como esse é um dos mais comentados, resolvi começar por esse. Já comecei a ler, mas não vou tirar nenhuma conclusão antes de terminar como sempre faço e depois mudo de ideia. Vamos ver no que da.

download-1

Cath é fã da série de livros Simon Snow. Ok. Todo mundo é fã de Simon Snow, mas para Cath, ser fã é sua vida – e ela é realmente boa nisso. Vive lendo e relendo a série, está sempre antenada aos fóruns, escreve uma fanfic de sucesso e até se veste igual aos personagens na estreia de cada filme.
Diferente de sua irmã gêmea, Wren, que ao crescer deixou o fandom de lado, Cath simplesmente não consegue se desapegar. Ela não quer isso. Em sua fanfiction, um verdadeiro refúgio, Cath sempre sabe exatamente o que dizer, e pode escrever um romance muito mais intenso do que qualquer coisa que já experimentou na vida real.
Mas agora que as duas estão indo para a faculdade, e Wren diz que não a quer como companheira de quarto, Cath se vê sozinha e completamente fora de sua zona de conforto.
Uma nova realidade pode parecer assustadora para uma garota demasiadamente tímida. Mas ela terá de decidir se finalmente está preparada para abrir seu coração para novas pessoas e novas experiências.
Será que Cath está pronta para começar a viver sua própria vida? Escrever suas próprias histórias?

  • Os Dois Mundos de Astrid Jones

Confesso que esse eu escolhi pela capa, pois ela me lembrou muito de Por Lugares Incríveis e sim, ele foi um dos melhores livros que eu já li e eu sempre vou guarda-lo no meu coração.

1219-20150518114554

“O movimento é impossível.” É o que Astrid Jones, 17 anos, aprendeu na sua aula de filosofia. E, vivendo na pequena cidade em que mora, ela começa a acreditar que isso é mesmo verdade. São sempre as mesmas pessoas, as mesmas fofocas, a mesma visão de mundo limitada, como se estivessem todos presos em uma caverna, nunca enxergando nada além.

Nesse ambiente, ela não tem com quem desabafar suas angústias, e por isso deita-se em seu jardim, olha os aviões no céu, e expõe suas dúvidas mais secretas aos passageiros, já que eles nunca irão julgá-la. Em seu conflito solitário, ela se vê dividida entre dois mundos: um em que é livre para ser quem é de verdade e dar vazão ao que vai em seu íntimo, e outro em que precisa se enquadrar desconfortavelmente em convenções sociais.

Em um retrato original de uma garota que luta para se libertar de definições ultrapassadas, este livro leva os leitores a questionarem tudo e oferece esperança para aqueles que nunca deixarão de buscar o significado do amor verdadeiro.

  • Cidade dos Anjos Caídos – Cassandra Clare

É um dos últimos livros da série e eu já comecei a ler, mas por motivos que eu não me recordo agora, eu dei uma pausa. Como estava bem no comecinho, não vai haver tantos problemas em dar continuidade.

cidade_dos_anjos_caidos

A guerra acabou e Caçadores de Sombras e integrantes do submundo parecem estar em paz. Clary está de volta a Nova York, treinando para usar seus poderes. Tudo parece bem, mas alguém está assassinando Caçadores e reacendendo as tensões entre os dois grupos, o que pode gerar uma segunda guerra sangrenta. Quando Jace começa a se afastar sem nenhuma explicação, Clary começa a desvendar um mistério que se tornará seu pior pesadelo.

  • Uma Canção de Ninar – Sarah Dessen

Eu gosto de Sara Dessen, eu amo Sarah Dessen, Sarah Dessen é incrível e merece muita atenção!

Terceiro livro que leio dela. O primeiro foi Os Bons Segredos e foi amor a primeira vista. Já até falei dele aqui no blog. Leiam tudo dela, por favor. 

13330958_802364473230532_6536015573940697739_n

Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem está saindo se aproxima demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Tanta desilusão não é para menos: ela cresceu assistindo os fracassos dos relacionamentos de sua mãe, que já vai para o quinto casamento. Então como Dexter consegue fazer a garota quebrar esse padrão, se envolvendo pra valer? Ele é tudo que ela odeia: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, membro de uma banda, como o pai de Remy — que abandonou a família antes do nascimento da filha, deixando para trás apenas uma música de sucesso sobre ela. Remy queria apenas viver um último namoro de verão antes de partir para a faculdade, mas parece estar começando a entender aquele sentimento irracional de que falam as canções de amor.

E é isso pessoal. Vou tentar com todo o meu amor ler todos eles. Eu nunca segui uma ordem e nunca coloquei objetivos nas minhas leituras. Tem mês que eu leio um, mas tem mês que eu leio 10. Depende muito. Mas esses são a meta do mês. Esperem para ver no que deu 😀

 

Beijos 😉

Anúncios

Resenha: Por Lugares Incríveis – Jennifer Niven

download

Titulo Original: All the Bright Places | Páginas: 336| Editora: Seguinte| Ano: 2015.

Olá!!

Eu lembro de ter dito uma vez que Mentirosos da E. Lockhart era o melhor livro que eu já tinha lido e que nenhum ia superar tudo o que eu senti. Mentira, “Por Lugares Incríveis” conseguiu superar qualquer barreira da minha alma. E eu falo isso com toda a sinceridade. O sentimento que esse livro me trouxe vai além de qualquer coisa.

Por Lugares Incríveis narra a história de Violet e Finch, pessoas totalmente diferentes e improváveis. Até certo dia.

Violet era popular, tinha muitos amigos na escola e um namorado incrível, até que sofreu um acidente com sua irmã mais velha, que infelizmente morreu. Violet por outro lado se afastou de tudo e de todos.

Finch é o esquisito da escola, com apenas dois amigos, vive vários “personagens”, lida com momentos de depressão, um pai violento e a apatia do resto da família.

Violet conta os dias para o término do ensino médio e Finch pesquisa varias formas de suicídio, sempre pensando se levaria algum adiante. No entanto, um dia, quando está no telhado da escola, se depara com uma Violet assustada tentando fazer a mesma coisa. Um ajuda o outro a sair do lugar, o que os leva a ter que fazer um trabalho de geografia juntos: visitar vários lugares incríveis do estado onde vivem. Nessas andanças Finch descobre que Violet não é apenas a garota popular da escola tentando voltar ao que era antes da morte de sua irmã. Ele enxerga a verdade nos olhos dela e o quanto ela pode entende-lo sem ao menos perguntar o que se passa em sua vida. Já Violet percebe que a vida não é feita de popularidade ou namorados bonitos ou de garotas fingindo ser sua amiga. Um completou o outro e ajudou a superar as próprias barreiras.

“Agora tudo o que vejo é uma garota morrendo de medo de viver. […] Você precisa retomar as rédeas. Ou vai ficar em cima do parapeito que construiu para si mesma para sempre.”

“Uma corrente de pensamentos passa pela minha cabeça como uma canção grudenta, de novo e de novo sempre na mesma ordem: Sou defeituoso. Sou uma fraude. Sou impossível de amar.”

“Aprendi que existem coisas boas no mundo se você procurar por elas. Aprendi que nem todo mundo é uma decepção, incluindo eu mesmo.”

O livro é narrado em primeira pessoa, com o ponto de vista de Finch e Violet, tendo uma aproximação maior dos personagens envolvidos. O que é ótimo e sempre digo o quanto eu gosto de narrações feitas assim. Faz com que possamos sentir um pouquinho de cada personagem, já que o ponto de vista deles são totalmente diferentes.

Jennifer Niven não só mostrou duas pessoas improváveis se apaixonando, mas sim se tornando verdadeiros amigos, daqueles que podem contar um com o outro, mesmo nas dificuldades que eles encontraram durante todo o livro. São pessoas diferentes, com desejos parecidos. Querendo encontrar um lugar no mundo onde não exista o bullying, nem o desrespeito, ou preconceito com as diferenças de cada ser humano.

Niven, fez com que a leitura fosse fácil e corrida. Não deixou o medo de se expor deixar de contar uma história linda.

Por Lugares Incríveis narra tudo o que ainda vivemos no mundo e várias  dificuldades que infelizmente existe em muitas pessoas. O tipo de livros que todos, sem exceção deveriam ler, pois independente de idade, vai te fazer refletir.

Vai te tirar o folego em vários momentos, assim como fez comigo, vai te fazer chorar, se emocionar, mas também perceber a importância da amizade e até mesmo o amor nas nossas vidas.

Beijos 😉

 

Resenha: A Playlist de Hayden – Michelle Falkoff

 

a-playlist-de-hayden_capa4_1.jpg.1000x1353_q85_crop

Titulo Original: Playlist for the Dead | Páginas: 288| Editora: Novo Conceito| Ano: 2015.

Olá lindos e maravilhosos!

Acabei de ler A playlist de Hayden. Estava com ele na estante fazia um tempo, só que me faltava o tempo para ler, até que deu e confesso que ele está na lista de preferidos.

A história é sobre dois melhores amigos, Sam e Hayden.

Sam é o tipico garoto nerd, que gosta de vídeo game, livros, filmes, músicas e seu único amigo é Hayden.

Hayden também faz o garoto nerd, que gosta de todas as coisas que Sam. Até o dia que Sam encontra ele morto em uma manhã, deixando apenas um bilhete e uma playlist com 27 músicas para Sam.

O livro começa assim, Sam encontrando Hayden em sua cama na manhã seguinte da festa que foram e algumas coisas não deram muito certo. E toda a história gira  em torno disso, Sam tentando entender o porquê o amigo se suicidou.

Sam mora com a mãe e a irmã Rachel, que segundo Sam, não é a melhor irmã, mas nós vemos que ela é super bacana. Sam não gosta muito do pai, pois ele o deixou quando tinha apenas oito anos.

Logo após a morte de Hayden, Sam começa ter visões de seu amigo e falta de sono ainda tentando quebrar a cabeça e entender a playlist que Hayden deixou pra ele.

Em meio a todos os problemas que tem acontecido, ele conhece Astrid, que alega ter sido amiga de Hayden e logo Sam se apaixona por ela. Mas assim como Sam, Astrid também tem seus segredos.

“Aquele nervosismo todo era porque ela estava afim de mim. Eu não conseguia acreditar naquilo. Só que la estava ele, um momento pelo qual eu tanto esperei. Eu tava tão tenso que as minhas mãos tremeram um pouco quando puxei o guardanapo do dispenser sobre o balcão, me inclinei na direção de Astrid e limpei um pedaço perdido de batata cheio de ketchup em seu queixo.

– Assim fica melhor- eu disse e, então finalmente, a beijei.”

No livro também temos a “Trifeta do Bullying”, que consiste em três babacas que perseguiam Hayden. Jason, Travor e Ryan, irmão de Hayden.

Me envolvi bastante na leitura, tentando desvendar junto com Sam os segredos de Hayden e o porquê ele tinha feita aquilo. Ao mesmo tempo que a Trifeta do Bullying tem sofrido ataques e claro que todos veem Sam como o maior suspeito. Até ele mesmo começa a acreditar que ele tenha mesmo feito algo contra eles.

No desenrolar da história, ouvindo todas as musicas da playlist, lendo conversas antigas que Hayden tinha nos jogos online, ele  vai juntando ponta a ponta da história, confrontando pessoas no meio do caminho, até realmente descobrir o que aconteceu com seu amigo na noite da festa.

Sam esteve o tempo todo questionando todas as suas ações, sua amizade com Hayden e o que ele exatamente sabia sobre ele, porque pelas coisas que descobria, sabia muito bem que seu amigo era outra pessoa. Uma pessoa que ele não conhecia.

“Não acho que algum dia deixarei de me culpar pela parte que me cabe, mas de alguma maneira é mais fácil culpar a mim mesmo do que qualquer outra pessoa, e talvez algum dia seja possível que eu pegue um pouco mais leve comigo mesmo. Se nenhum de nós é cem por cento responsável, então é bem provável que nenhum de nós pudesse impedir o que aconteceu, mesmo sabendo que era isso que deveríamos ter tentado fazer. E provavelmente precisamos aceitar isso, assim como precisamos aceitar que o Hayden não vai voltar.”

Além do livro ser sobre mistério, tem uma pitada de romance, mas não aquele romance “não vivo sem você”, é aquele leve, bonito e gostoso de ler. Temos também o drama familiar envolvido e questões sociais sendo discutidas, inclusive o bullying que é um assunto bem presente na maior parte do livro.

A Playlist de Hayden não tem muitos diálogos, apenas algumas lembranças de Sam e a maior parte os pequenos diálogos com Astrid, mas que foram muito bem escritos. e de fácil entendimento.

Me apaixonei por muitos dos personagens do livro, inclusive os secundários. Mas o meu amor mesmo foi por Sam, que é todo fofo e que tem o melhor gosto musical de todo o universo. Sério, muitas das músicas que ele ouvia durante o livro e inclusive muitas das músicas da playlist eu já conhecia, mas também tinha as que não tinha ouvindo e que hoje estão na minha playlist. Em quanto eu lia o livro percebi que tinha muitas coisas em comum com o Sam, digo em relação a músicas, filmes, enfim, essas coisas.

Michelle Falkoff colocou muito bem suas ideias e seu ponto de vista de cada assunto, como as questões sociais como já havia dito e o romance totalmente saudável explorado por Sam e Astrid (casal mais lindo <3)

Mesmo que eu tenha imaginado um final totalmente diferente (diferente mesmo), foi um bom final e ficou aquele gostinho de quero mais, mais e mais.

É um bom livro e eu classifico ele na lista do “Todos Devem Ler”, não importa a idade, é totalmente saudável e em partes bem educativo.

A Playlist de Hayden é um livro sobre amizade, amor e principalmente sobre confiança. Coisas essenciais na vida de uma pessoa.

Beijos 😉

Cinema: Naomi & Ely e a Lista Sem Beijos #Filme

victoria-justice-naomi-ely-poster-cmf-event-04

Olá lindo e maravilhosos!

O post de hoje é sobre um filme que eu estava esperando a um bom tempo e que já fiz resenha dele aqui.

Para quem não viu a resenha que fiz de Naomi & Ely e a Lista do Não Beijo, veja.

O Filme foi baseado no livro do David Levithan com parceria de Rachel Cohn e conta a história de Naomi e Ely que são melhores amigos desde sempre, mas que na faculdade acabam se apaixonando pelo mesmo cara, que por sinal já é namorado de Naomi.

Quando fiz a resenha do blog disse tudo que achei do livro, dos personagens e de como eu me envolvi na história. Lógico, a história tem vários pontos fracos e alguns erros, principalmente da personagem principal, mas mesmo com tudo isso, eu adorei.

O filme é protagonizado por Victoria Justice (Naomi) e Pierson Fode (Ely) e por incrível que pareça gostei da escolha para dar vida aos personagens. No inicio tive minha duvidas em relação a Victoria pois foram poucos os trabalhos que vi dela, e nem todos me agradou, tanto da pessoa em si quanto da atuação da atriz. Ainda acho que ela não é uma das minhas favoritas, mas Naomi combinou muito com ela o que acabou me consquistando um pouco. Sem contar que a Naomi que interpretou é menos chata que a do livro.

Naomi-Ely-e-a-lista-do-não-beijo-2

Já Pierson Fode (lindo e maravilhoso) era exatamente o que imaginei quando li o livro, boa pinta e uma puta personalidade para usar lapis de olho e um cinto de glitter.

Não tinha visto nenhum trabalho de Fode além deste que vos falo e nem sei se tem outros, mas como Ely ele me deixou satisfeita.

fotos pelicula ni kiss list 3

Temos também os outros personagens no filme, como o Bruce primeiro (Griffin Newman), que está na história não sei fazendo o que, o Bruce Segundo (Ryan Ward), que nada mais é que namorado de Naomi e paixão de Ely.

Eu já sabia que Bruce segundo não era foco da história, mas querendo ou não ele complementa as discussões de Naomi e Ely. Imaginei ele bem bobão  e Ward confirmou isso com sua atuação.

no-kiss-list-premiere-1

Outro personagem de destaque é Gabriel, o porteiro, interpretado por Matthew Daddario. Desde quando li o livro eu já era “Team Gabriel”, mesmo achando ele meio banana no começo da história mas depois ganhando um pouco mais de espaço quando Naomi se aproxima. Ele fez uma playlist para ela com todas as músicas que basicamente o descreve. Eu adorei a playlist e a forma como  Daddario deu vida ao personagem. Lindo e maravilhoso, cativante e que vai te conquistando aos poucos.

no-kiss-list

Também tem outros personagens, mas que não tão importantes e nem complementam a história.

Tiveram alguns cortes de cenas que foram ótimos e bem escolhidos, pois no livro continha uma quantidade insignificantes de acontecimentos que não se complementavam e nem chegava a ser um gancho para a próxima cena.

Narrado por Naomi com algumas frases de impacto e reflexão na maior parte do tempo, “A Lista do não Beijo” o filme é bem mais interessante que o livro, mesmo com  roteiro pouco elaborado e com diálogos  curtos.

Se fosse para classificar, daria 3/5 estrelas para o filme, mas com certeza assistiria mais vezes pois mesmo com seus defeitos é um bom filme para um dia que você queira algo leve e descontraído.

 

Dirigido por Kristin Hanggi e roteiro por conta de Emily Meyer e Amy Andelson.

O filme já está disponível no Netflix. Aproveita e vai lá conferir 😉

 

 

Beijos!

Resenha: Trilogia Grisha – Sombra e Ossos – Leigh Bardugo

Olá lindos e maravilhosos!

download

Titulo Original: Shadow and Bone| Páginas: 288| Editora: Gutenberg | Ano: 2013.

Alina Starkov é uma garota órfã que cresceu com o apoio de seu melhor amigo (e sua paixão por ele) Maly. Ela é cartografa e Maly é rastreador no exército para o qual são enviados ainda jovens, com a missão de proteger Ravka (cidade onde vivem). Para isso eles precisam ir a um tipo de expedição e atravessar a “Dobra das Sombras” que é como uma divisão entre dois mundos diferentes e como eles mesmo chamam o “Não Mar” e o “Mar Real”, só que para atravessar a Dobra eles e as outras pessoas a bordo precisam enfrentar a escuridão e os terríveis Volcras, que basicamente comem pessoas (e não pare para imaginar isso pois é nojento). Logo que estão atravessando Alina vê Maly ser atracado por um deles e ficar ferido e quando ela tenta protegê-lo acaba revelando um poder desconhecido (até mesmo para ela). 

Logo após esse acontecimento, Alina é levada pelos grishas (são soldados, só que com poderes) para Darkling, líder dos grishas e também o mais poderoso.  

Darkling tem como missão levá-la a corte real e treiná-la como uma grisha e ensinar tudo sobre seu poder. Com esse grande poder de Alina, Darkling acredita que ela possa ajudá-lo a destruir a Dobra das Sombras. 

Agora, Alina precisa se concentrar em suas habilidades e aprender a lidar com seus sentimentos por Maly, sua atração por Darkling e sua “responsabilidade” com Ravka.

Como disse no inicio da resenha, Alina é uma garota órfã totalmente insegura. Se acha feia, não digna do amor de alguém e se sente rebaixada por qualquer garota com um dente mais branco que o dela. Mas quando passa a  “entender” o poder que tem, ela ganha uma certa confiança em si mesma e também em seu poder. Aí sim passou a agir como uma verdadeira personagem forte. O que é muito bom porque eu não aguentava mais ela reclamando de tudo. Esse é o único ponto chato que achei do livro todo.

Falando um pouquinho de Darkling, ele é poderoso, misterioso, cheio de si, cativante e de personalidade forte. Total anti-herói e com certeza o personagem mais bem construído de toda a história.

Já Maly, é aquele cara bonito e chato no inicio do livro e que passa a manter presença em um certo ponto. 

Leigh Bardugo me conquistou de muitas formas. Desde o mundo fantasioso e muito criativo da história, a evolução e amadurecimento dos personagens, cada um sempre mostrando o que tem de melhor, até a narrativa impecável.

Achei um pouco confuso no começo por causa dos nomes, lugares, cidades e poderes (é muito poder minha gente!) que são bem diferentes, mas com certeza não deixou de ser uma escrita muito boa e gostosa de ler e me peguei muitas vezes totalmente envolvida no drama de Alina.

 Bardugo me prendeu em cada detalhe da história e me fez abrir os olhos para a fantasia, coisa que eu não era muito acostumada, mas que agora sempre estará em minha vida.

Sombra e Ossos é uma história impecável do inicio ao fim. Quem já leu concorda (espero) e quem não leu, leia pois é uma história que vai te levar definitivamente para outro mundo.

 

Beijos 😉

 

 

 

Resenha: Naomi & Ely e A Lista do Não-Beijo

   Olá lindos e maravilhosos!naomi e ely

Titulo Original: Naomi and Ely’s No Kiss List | Páginas: 256| Editora: Galera Record| Ano: 2015.

O livro conta a história de Naomi e Ely e a perspectiva do amor e amizade  sob os olhos de vários personagens.

Tudo começa da seguinte forma: Naomi é apaixonada por ser melhor amigo gay. Eles tem A Lista do Não-Beijo onde estão os nomes de todas as pessoas que eles estão proibidos de beijar. 

Tudo está indo as mil maravilhas quando Ely confessa ter beijado Bruce, namorado de Naomi.

Depois disso e a não aceitação de Naomi, eles entram em uma certa guerra levando os moradores do prédio onde moram junto em toda a bagunça deles.

Falando do prédio, aquele lugar não é nem um pouco parecido com os prédios normais. Além de ter Gabriel (o porteiro muito gato) eles tem, bingos as madrugadas e clube de pessoas com insônia. Adorei esse prédio!

Enfim, voltando a história, Naomi não aceita de forma alguma a relação de Ely e Bruce, pois acredita que o destino deles é ficarem juntos e terem um casamento incrível, uma casa incrível e filhos incríveis.

Naomi é uma garota linda, extremamente forte, cheia de atitude, não se importa com o que os outros pensam (com exceção a Ely), mas totalmente vadia. Pelo menos é o que ela quer que as pessoas vejam, pois ela tem um coração enorme, já passou por muitas coisas na vida e sempre com Ely ao seu lado e também tem vários medos. Mas, no final do dia é sempre ela e sua mãe.

Já Ely poderia ser artista de cinema ou uma Drag Queen famosa se quisesse. Autêntico, espontâneo, estiloso e seguro de si. Teve muitos namorados e corações partidos antes de se aproximar de Bruce e o único amor que ele é capaz de deixar transparecer, é seu amor por Naomi.

Eu até poderia falar de Bruce e de toda a sua culpa na briga de Naomi e Ely, mas o foco principal não é esse e sim a lealdade e a amizade dos dois ao longo de toda a vida, pois como diz Ely em certa parte do livro “Dizer que é amigo de alguém, é fácil. Ser um amigo de verdade, não.”

A amizade deles teve muitos altos e baixos ao longo dos anos, mas o que os mantinham unidos era esse amor um pelo outro. 

Ely pode sim ter traído a confiança de Naomi quando beijou Bruce, mas a verdade sobre tudo isso é  o fato de que Ely  estava quebrando todas as fantasias de Naomi ao se apaixonar por Bruce.

“Mentiras são mais fáceis de processar. Menti para Ely dizendo que não tenho o menor problema com alguém ser gay. E não tenho mesmo. Exceto no caso de Ely. Ele deveria ser meu, no melhor estilo Felizes para Sempre, marcados pelo destino. Menti para Ely dizendo que entendia, é claro, que o verdadeiro destino dele era o glorioso reinado cor-de-rosa, e que aquilo esteve óbvio o tempo todo”.

“Não existe alma gêmea… e quem gostaria que existisse? Não quero ser metade de uma alma compartilhada, quero a porra da minha própria alma”

“É uma grande mentira dizer que só existe uma pessoa com quem se vai ficar pelo resto da vida. 

Se tiver sorte – e se esforçar bastante -, sempre haverá mais de uma”

Foi minha primeira leitura de David Levithan, mesmo sendo uma co-parceria com Rachel Cohn com quem já havia trabalhado em “Nick&Nora” (não li, mas já está no topo da lista).

A forma como abordaram os diversos assuntos com foco na amizade e a homossexualidade foi incrível. Escrita leve, divertida me tirando muitas risadas e sempre direto ao ponto sem deixar de falar de alguns momentos de pura reflexão sobre os assuntos, causando sempre um impacto diferente e fazendo com que leituras assim seja minhas preferidas.

Mesmo gostando muito da escrita teve alguns momentos que fiquei confusa na narrativa de Naomi, pois é utilizado alguns símbolos, mas não impediu o entendimento ao longo da história.

Cada capítulo é narrado por um personagem diferente como disse lá em cima, nos proporcionando ter uma ideia do que cada um está pensando no meio de toda a confusão.

Me apaixonei por cada personagem (até aprendi a gostar de Naomi em certo ponto). Todos tiveram grande importância no desfecho e confesso que gosto de livros assim, onde nenhum personagem seja esquecido.

Como primeira leitura de Levithan e Cohn, não tenho com o que comparar, mas deixo claro que foi uma das minha melhores leituras deste ano.

Ps: Lá em cima falei de Gabriel. O capítulo dele é um dos meus preferidos pois tem uma playlist com músicas incríveis 😉

Ps²: Vai ter filme! Estrelado por Victoria Justice e Pierson Fode. Até onde sei (me desculpem se eu estiver errada!) vai estrear dia 17 de julho.

Fotinhas extras para vocês 😉

Naomi-Ely-e-a-lista-do-não-beijo-2

Naomi1

Beijos!

Resenha: Isla e o Final Feliz

ISLA_E_O_FINAL_FELIZ_1431632854450316SK1431632854B

Olá lindos e maravilhosos!

Hoje vou falar de umas das minhas autoras preferidas: Stephanie Perkins.

Segue então a resenha de Isla e o Final Feliz. Terceiro livro sobre as garotas de Perkins. Titulo Original: Isla and the Happily Ever After | Páginas: 304 | Editora: Intrínseca | Ano: 2015.

Isla é uma garota ruiva linda e maravilhosa, tímida, romântica e insegura, apaixonada por Josh e a única pessoa em que confia é seu melhor amigo Kurt. Isla é insegura por sempre achar que as pessoas merecem mais do que ela pode oferecer. Kurt é melhor amigo de Isla desde sempre, autista, inteligente, confiavel, apoia Isla em todas as suas escolhas, mas também a repreende muitas vezes pelo mesmo. Josh. Ótimo artista, um tanto introspectivo, difícil e intenso e um dos motivos de ser assim é por ter os pais em posições importantes o que muitas vezes implica na sua forma de agir, mas fora isso é apaixonado não apenas por seu trabalho que é incrível mas também por pessoas, lugares e momentos, aquele cara que sabe o que quer da vida, mas que tende a ficar sozinho depois que seus amigos terminaram o ensino médio. Bom, até Isla aparecer. A história se passa em Paris, na SOAP, uma escola para americanos na França (lembra de Anna e o Beijo Francês?), e tudo acontece no último ano do ensino médio, mas Isla é apaixonada por Josh desde o primeiro ano. Os dois nunca trocaram mais do que duas palavras nesse tempo e a única vez em que Josh tentou se aproximar, ela o ignorou (coisa feia Isla!). O Romance de Isla e Josh é um verdadeiro conto de fadas, mas contado de um jeito certo o que faz total diferença no desfecho da história. Eles passam por grandes dificuldades envolvendo passado com ex-namoradas, os pais e o futuro incerto. “Ainda fico nervoso do seu lado, sabia? — Sério? — Eu me sinto como um gigante todo desajeitado. Você parece uma boneca de porcelana. Doce, delicada, linda.”

 
“Josh senta ao meu lado. Com a testa, ele toca a minha. Em seguida, ele fecha os olhos e diz: — Isla Martin. Eu amo você. Meu universo explode. — Eu também amo você, Josh. Muito.
 

Quando em certo momento do livro você acha que já é o felizes para sempre, muitas coisas acontecem e inclusive tem participações especiais de Anna, St. ClairMeredith (Anna e o Beijo Franês), LolaCricket (Lola e o Garoto da Casa ao Lado)  o que torna o final surpreendente, com um desfecho completo. Perkins tem uma escrita ótima, leve, engraçada, rápida e de fácil entendimento. O que a torna completa. Faz com que acreditemos que histórias assim (mesmo sendo querendo ou não um pouco clichê) possa realmente acontecer. Já li “Anna e o Beijo Francês” e “Lola e o Garoto da Casa ao Lado” e amo todas elas e antes de Isla, Anna era a minha personagem favorita (continua sendo) mas Isla me conquistou muito e foi a que mais me envolveu. Confesso que a personalidade de Isla não é as que mais me agradam, mas ela é tão linda e maravilhosa, engraçada e tem um coração tão grande que é fácil se apaixonar por ela ~sem contar que ela é ruiva :3~ Enfim, é uma história linda e gostosa de ler então todos deveriam dar uma chance para Stephanie Perkins e suas meninas” (como ela mesma diz) porque elas te envolvem e te levam para um mundo incrível, cheio de possibilidades e se tornam suas melhores amigas nesse mundo. Beijos!